Pluviômetro

Quanto já choveu nestas águas? Quanto chove normalmente em nossa região? Existem períodos no ano com maior concentração de veranicos? Devo começar a adubar ou a plantar? Quais as razões para tanto sucesso ou insucesso na produtividade? Perguntas como estas são freqüentes em nosso meio. Além do tão comentado efeito apagão que afetou todos os setores da economia sem distinção (comércio, indústria, agricultura, residências, etc) nosso setor agropecuário sempre conviveu com o desafio de contar com os imprevistos de São Pedro. O pluviômetro mede a altura da lâmina de água que choveu. Esta medida é fornecida em milímetros. Quando falamos por exemplo que choveu 20 milímetros, significa que tivemos uma cobertura do solo com uma lâmina de 2 centímetros (=20 milímetros) o que equivale a 20 litros d?água em cada metro quadrado! Se extrapolarmos isso em termos de 1 ha teremos 200.000 litros de água despejados nestes 10.000 m2. É uma quantidade violenta de água e por isso sistemas de irrigação têm que ser muito bem dimensionados e utilizados para ter sucesso pleno. Em levantamento nas fazendas assistidas pela ViaVerde constatou-se que de outubro a janeiro deste ano agrícola choveu quase 1.200 milímetros em algumas regiões. Isto equivale a quase 10 milímetros de média por dia, enquanto as plantas necessitam em média de 6 milímetros, ou seja, houve um excedente muito grande o que pode explicar alguns casos de milhos requeimando, pastos com produção abaixo do esperado, cafés amarelando, etc, etc. O efeito não é só de ?lavagem? e lixiviação de nutrientes, mas também pelo fator chamado incidência de luz. Aquele clima nublado gerando luz difusa ou indireta, persistindo por muitos dias acaba prejudicando vários tipos de plantas. Um pluviômetro pode custar 5 a 10 reais e é uma ferramenta bastante útil e necessária numa agropecuária de resultados. O registro e arquivamento dos dados, bem como o local correto de instalação do pluviômetro, também são itens importantes de levarmos em conta. Quanto chove normalmente em nossa região? Existem períodos no ano com maior concentração de veranicos? Devo começar a adubar ou a plantar? Quais as razões para tanto sucesso ou insucesso na produtividade? Perguntas como estas são freqüentes em nosso meio. Além do tão comentado efeito apagão que afetou todos os setores da economia sem distinção (comércio, indústria, agricultura, residências, etc) nosso setor agropecuário sempre conviveu com o desafio de contar com os imprevistos de São Pedro. O pluviômetro mede a altura da lâmina de água que choveu. Esta medida é fornecida em milímetros. Quando falamos por exemplo que choveu 20 milímetros, significa que tivemos uma cobertura do solo com uma lâmina de 2 centímetros (=20 milímetros) o que equivale a 20 litros d?água em cada metro quadrado! Se extrapolarmos isso em termos de 1 há teremos 200.000 litros de água despejados nestes 10.000 m2. É uma quantidade violenta de água e por isso sistemas de irrigação têm que ser muito bem dimensionados e utilizados para ter sucesso pleno. Em levantamento nas fazendas assistidas pela ViaVerde constatou-se que de outubro a janeiro deste ano agrícola choveu quase 1.200 milímetros em algumas regiões. Isto equivale a quase 10 milímetros de média por dia, enquanto as plantas necessitam em média de 6 milímetros, ou seja, houve um excedente muito grande o que pode explicar alguns casos de milhos requeimando, pastos com produção abaixo do esperado, cafés amarelando, etc, etc. O efeito não é só de ?lavagem? E lixiviação de nutrientes, mas também pelo fator chamado incidência de luz. Aquele clima nublado gerando luz difusa ou indireta, persistindo por muitos dias acaba prejudicando vários tipos de plantas. Um pluviômetro pode custar 5 a 10 reais e é uma ferramenta bastante útil e necessária numa agropecuária de resultados. O registro e arquivamento dos dados, bem como o local correto de instalação do pluviômetro, também são itens importantes de levarmos em conta. - See more at: http://www.viaverde.agr.br/sitenovo/artigos1.asp?codigo=166#sthash.gEgY8qId.dpuf